Em Pequim, agora quer ‘ampliar negócios’; em Washington, vai em ‘busca de um Ocidente com liberdade’
Nelson de Sá, Folha de São Paulo, 11.mar.2019 às 2h00

Fechando a semana, repercutindo em veículos financeiros como CNBC, o analista de commodities Tian Hao comentou por que as importações de soja da China, em fevereiro, caíram ao menor volume em quatro anos.

“Os importadores não compraram muita soja brasileira”, exemplificou, “porque estão esperando para comprar soja americana em meio ao otimismo de um acordo de comércio sino-americano”.

Posteriormente, no mesmo dia, o presidente Jair Bolsonaro posou ao lado do embaixador chinês e anunciou que vai visitar Pequim neste ano, para “ampliar nossos negócios”. O chinês Diário do Povo noticiou seu encontro com o embaixador, mas sem mencionar a eventual visita.

No dia seguinte, Bolsonaro tuitou que vai antes a Washington, em “busca de um Ocidente com liberdade”. Ecoou email da Casa Branca, que havia anunciado a visita para “discutir como construir um Hemisfério Ocidental mais democrático”.
CHINA SE RECUPERA?

O Financial Times abriu chamada no fim do domingo para informar que, na China, dados mais recentes “mostram que a economia reage, conforme a ameaça de guerra comercial reflui e começam a fazer efeito os estímulos internos”.
RUMOR

Em reportagem que mobilizou cinco jornalistas, o New York Times revelou que “Imagens contradizem afirmação dos EUA de que Maduro incendiou comboio de ajuda”. No segundo enunciado, “coquetel Molotov jogado por manifestante antigoverno foi estopim mais provável”.

Em vídeo, com imagem reproduzida acima, o jornal mostra como o “rumor” nasceu no canal colombiano NTN24, foi ampliado por autoridades americanas e pelo opositor Juan Guaidó e acabou na Fox News —e como o governo colombiano ajudou, sonegando informação.

O Intercept lembra que também CNN e BBC, entre outros, compraram a história. O canal colombiano e os outros três deram pouca ou nenhuma atenção à reportagem, no domingo. O Intercept lembra ainda que, há duas semanas, outro canal colombiano, Uno, analisou e noticiou as imagens que indicam a oposição como responsável pelo incêndio.
INCITAÇÃO

Bolsonaro usou áudio divulgado por documentarista francês para expor, em mídia social, a jornalista Constança Rezende, de O Estado de S. Paulo. A distorção é evidente, mas o tuíte em segundos já estimulava ataques.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *